Equipamentos têm aplicação e modelos variados





 

RevistaPot2 Equipamentos têm aplicação e modelos variados

Legenda: Revista Potência – Edição 119 – Páginas 42 e 43

 

A aplicação do nobreak não está mais focada apenas em atender equipamentos de informática como no passado. Hoje em dia, eles estão mais presentes no cotidiano das pessoas e das empresas, em diversas aplicações nos mais variados segmentos. É preciso mencionar também o consumidor doméstico, que se tornou um grande usuário desse tipo de produto, já que está cada vez mais conectado e ciente da necessidade de segurança e disponibilidade de dados.

 

Os segmentos que utilizam nobreaks podem ser divididos em pequeno, médio e grande porte. No segmento de pequeno porte, existem equipamentos no mercado com potências relativamente menores, cujo objetivo é proteger cargas simples, mas que requerem a mesma atenção de uma carga complexa, como switches, roteadores, estações de trabalho padrão, câmeras de segurança, central telefônica, entre outros, sendo também utilizados na área médica hospitalar. Para este tipo de aplicação, são indicados nobreaks com operação online, ou seja, que não possuem tempo de interrupção durante a mudança do modo rede para o modo baterias e vice-versa.

 

“Vemos no mercado a existência de muitos nobreaks de baixo custo, com qualidade inferior, e que ainda possuem um tempo de transferência no modo rede para o modo baterias, ou seja, que são off-line. Estes nobreaks, conhecidos como short-breaks, não possuem eficiência tão elevada quanto o nobreak online com forma de onda senoidal pura, o que pode ocasionar danos para os equipamentos e sistemas”, explica Fernando Peres, gerente nacional de Vendas da Engetron.

 

No segmento de médio porte, encontram-se os call centers, data centers, servidores, sistemas de iluminação industrial, equipamentos hospitalares e cargas com potência um pouco mais elevada, que necessitam também de uma atenção especial. Nestes casos, são indicados nobreaks com topologia de dupla conversão, possuindo transformador isolador ou retificador e inversor composto por módulos IGBT de alta frequência.

 

Existem também os nobreaks para aplicação no segmento de grande porte, onde a palavra chave que define a aplicação é a confiabilidade. A autonomia também continua importante, porém, nestas aplicações onde a potência do nobreak é muito elevada, costumasse fazer a operação em conjunto com grupos geradores, para os casos que necessitam de uma autonomia elevada.

 

A definição de qual nobreak utilizar vai depender das condições da infraestrutura e as cargas a serem alimentadas. “Cada ambiente e empresa tem de passar por um processo de avaliação para que seja indicada a melhor solução ao negócio. A especificação completa da solução envolve análise da rede elétrica, dos equipamentos prioritários, potência total, a necessidade de redundância, a realidade da empresa e a área da planta disponível, entre outros fatores de infraestrutura do cliente”, lista Fernando Peres.

 

Para auxiliar nesta definição, os fabricantes disponibilizam suas equipes de engenharia de aplicação aos seus clientes. A Engetron, por exemplo, oferece um portfólio em soluções de energia para aplicações de 700 VA a 6,6 MVA.

 

Leia a matéria completa: http://issuu.com/hmnews/docs/edicao-119 – páginas 38 a 47

Endereço:
Av. Sócrates Mariani Bittencourt, 1099, Cinco. Contagem - MG,
CEP: 32010-010
Atendimento ao Consumidor:
(31) 3359-5800
P&D Brasil

© 2016 Engetron - v2.6.0